quarta-feira, 30 de abril de 2008

Céu ou Inferno?

Esperava o onibus num canto qualquer da cidade quando ouvi a conversa entre um homem de mais ou menos 80 anos e uma garota pouco mais velha que eu. Não que eu seja um curioso, mas eles realmente falavam alto, todo mundo que estava ali ouviu.
Enfim...
A conversa rodeava a religião, o homem convicto de suas crenças e a garota igualmente. O homem falou algo sobre o mau tempo, o frio, a inconstância climática, e a garota concordou com ele e começou a falar que essa mudanças eram o fim dos tempos, que parecia muito com algumas citações bíblicas. Ela disse que nem assistia mais o noticiário porque a desgraça tamanha não lhe fazia bem.
O velho homem concordou com a garota e reforçou que aquilo só poderia estar chegando perto do dia do juízo final. Em seguida seguiram uma longa conversa sobre o que fazer para evitar que fossem para o inferno. Como se privar de prazeres, ser um frequentador assíduo do templo, igreja, seja lá o que for.

O que me fez parar pra pensar. Será realmente o fim do tempos?
Pode ser. Mas também pode ser que o tempo esteja só no começo! Porque não uma mudança? As pessoas tendem a temer o desconhecido, o novo, o ainda não criado. Prefiro pensar que a minha vida está só no começo. O meu templo é esse mundo, entre o céu e o mar, tudo é sagrado, pra mim.
E sobre o juízo final?
As pessoas se preocupam tanto, se privam tanto com medo do julgamento divino, quando na verdade deveriam julgar-se dia após dia, por toda sua vida. Não consigo entender porque o paraíso está além do que se sente. O juizo final é constante, basta fazer o balanço geral da situação.
Você está feliz?
Você está em paz com você mesmo?
Satisfeito com a sua vida?

E aí sim decidir privar-se ou experimentar a sensação.

As vezes nos preocupamos tanto, esperamos a vida toda sem pensar em si mesmo como um animal de desejos, de vontades, de sentimentos... Só para não ir para o inferno, quando na verdade, o inferno poder ser esse mesmo, aqui e agora.
Prefiro fazer dessa vida meu paraíso. Eterno paraíso.


Não cometer o "pecado" não é o medo de morrer, é o medo de viver!



E como disse algum maluco, satirizando a situação.
"Alguns se deixam dominar pela religião, eu tenho o alcool pra confortar a minha alma."
Só pra cabar com um clima de bom humor.


Bjo na virilha!

2 comentários:

Capitain Giuseppe Mandragon Montilla disse...

Ótimo....penso exatamente isso que escreveste meu pequeno gafanhoto.

e alterando um pouco as palavras dos malucos, digo:

"Alguns escolhem religião, eu escolhi o sexo para alimentar a minha alma!!!"

adorei o bjo na virilha =p
huahhauhuha

J. disse...

Eu quase, veja bem... quase... me convenci nessa, sobre o pecado, mas... continuo GND

Sabe o que eu pensei? num gigantesco botão vermelho e uma explosão... hahahahahahahahaha

bjo!