domingo, 25 de outubro de 2009

E quando a vida passa.
Sei lá
É tudo tão rápido
Parece que o tempo nem contou o fatos
O tempo nao contabiliza sentimento
Mas hoje!
Hoje o momento necessita de vaidade
Vontade de estar a sós, beijar e ouvir a voz!
Parece que o domingo virou pó.
Segundos depois de ouvir você partir, e isso foi ontem a noite.
Nem sei se quero o vento, nem sei se quero mesmo este momento
Melhor seria se vc estivesse aqui

Tão só.
Querendo que a lua brilhe... sem medo da luz e da sombra
Que sombra?
Tudo que eu vejo é luz.
Cor do luar... lugar pra amar??
A gente sempre dá um jeito.
Falta convite pela falta jeito... toda hora é tempo, todo tempo é lugar
Sei lá.. falta mesmo é poesia pro poeta apaixonado.

sábado, 24 de outubro de 2009

Parte II

E no reino as batalhas por poder continuam.
Porém, nas vielas singelas seguem suas vidas as pessoas de bem.
O vagabundo com sua garrafa de cachaça, a donzela com sua tímida beleza, e os figurantes da história. Todos eles de um lado para o outro, ocupados com seus afazeres, sonhando com o dia de amanhã.
O vagabundo por vezes encantado pela donzela, não sabe como convidá-la pra um jantar. E se soubesse, o que ofereceria? Precisa se preparar melhor.
Conhecer a donzela é fundamental.

A donzela, já farta de vagabundos continua seu caminho sem muito se importar.
Mas sente a poesia no olhar desse único desocupado. Não sabe expressar, nem mesmo sabe se sabe.
Mas é claro e evidente, que o caso é diferente. Se não fosse, não teria porque contar.
Cortando a dramatização da história, eles se encontram, e se acertam, cada um do seu jeito, ele explicando coisas, ela sem entender ouvindo tudo com atenção. Ele nem sabe qual é a razão, mas quer contar do seu jeito desajeitado. E ela parece querer saber como funciona essa mente insana.

Demanda tempo e vocabulário polido pra que eu demonstre nestas linhas o brilho dessa hitória, porém, na falta da poesia, eu relato essa parte do romance pedindo a que vocês leitores, interessados ou não, pensem na lua, em céu limpo e estrelado. Enxerguem nela o brilho do sentimento apaixonado. Convertam todo esse sentimento para o fatídico romance do reinado.
Fatídico no sentido de que prediz o futuro, e não no sentido trágico.

O vagabundo e a donzela estão se encontrando pelo vilarejo. Num suspiro doce e demorado de experimentação do sentimento.
(A cena acaba quando eles se beijam, com a lua de fundo, e ela se despede dizedo que vai entrar em contato. E ele entende a partida, mas espera que ela volte pros seus braços)

(continua)

domingo, 18 de outubro de 2009

Sobre águas passadas

As vezes quero a chuva pare
Mesmo que o mundo desabe sob o céu azul
As gostas escorrem pela janela enquanto espero que a distância faça sentido
O céu chorando alimenta a solidão e a saudade
E por dentro, no peito, o sentimento arde com águas passadas


Não importa se quente ou frio
As vezes quero que o céu brilhe sobre nossas cabeças
A temperatura a gente ajeita quando o coração nao se sente só
Voltar ao pó, de onde viemos
Nem importa mais onde queríamos chegar
Se o que importava ficou pra trás, num dia nebuloso.

As vezes quero que chuva pare
Mas nem sempre espero que o sol brilhe
Na maior parte do tempo não sei o que eu quero
Só quero que o tempo mude
Só quero que o dia passe
Só quero não querer que ela volte

Mas as vezes, e só as vezes quero que o mundo desabe
Que a água que cai do céu me lave
Que as correntes de ar conduzam a chuva pra minha alma
Que as nuvéns me cubram de esperança e novidades
Que o sentimento mude, pra viver de verdade

As vezes quero esquecer que o céu brilhava
E como a chuva, caindo no rio correr junto com a aguá
E deixar pra trás o tempo em que os olhos dela me iluminavam

As vezes quero... que o mundo pare

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Parando pra pensar

Me perguntaram se abandonei a luta.

Onde estão o textos sobre revolução?
Sobre esperança?
Sobre luta pela liberdade?

Onde estão os gritos?

A verdade meu caro, é que acabou sendo muito mais paz e amor.
Hoje escrevo sobre a vida, o dia-a-dia.
Sobre a lua e o trago do cigarro. Acredito que construimos a revolução através dos passos que damos. E é isso que me toma noites, papeis e canetas.
O andar de um bebum, próximo a valeta, não é apenas um descaso com a sociedade.
É a poesia de verdade, nua, crua, feita de carne e osso.
Fígado, entranhas e o que mais for.

Escrevo sobre a solidão que me atormenta, sobre os amores que me acalmam(e atormentam).
Escrevo sobre amigos, sobre bares e seres vivos.
O mar, o por do sol... o tempo que consome o tempo.
Sobre tudo... escrevo sobre amor à tudo isso.
Por que é através dele que guiamos nossos passos, e é por esse caminho que chegaremos ao tão esperado sonho de liberdade.



Isso é sobre contos.
Isso é sobre a realidade.

E a bandeira continua asteada!

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Lua Amarela

A lua amarela me encarava, insinuante
Sem pudor no olhar, mas também sem maldade
Malícia
Me seduzia pra bebericar ao sabor da noite

Lua baixa, quase que ao alcanço das mãos
E mesmo assim intocável
Vai se indo embora, acima de nossas cabeças
Noite afora, longe do coração

Lua cheia... cheia de dúvidas.
Sem saber o que vai ser quando o dia amanhecer
E mesmo assim correndo pra atravessar a escuridão
Alimentando poetas, malucos e lunáticos.

Alienando os apaixonados